São Paulo | 11 2500.CLIQUE

Brasília | 61 3181.CLIQUE

Artigos

Vídeos

LIMINAR PARA MEDICAMENTO CONTRA PLANO DE SAÚDE

17 de agosto de 2020

Planos de saúde devem custear medicamentos de alto custo para tratamento de câncer, esclerose múltipla, fibrose pulmonar e outras doenças, mesmo que tais medicamentos sejam de uso oral/domiciliar e não constem do rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)

Medicamentos de alto custo, tais como Ibrance® (palbociclibe); Revlimid® (lenalidomida), Keytruda® (pembrolizumabe), Tagrisso® (osimertinibe), Ofev® (nintedanibe), entre tantos outros são exemplos frequentes de remédios usualmente negados pelos planos de saúde sob justificativas abusivas e infundadas.

Para casos assim, a ação judicial com pedido de liminar tem sido o único caminho viável.

O que é a liminar para cobertura de medicamentos?

Liminar – ou tutela de urgência – é um pedido feito ao juiz para exigir que a operadora do plano de saúde disponibilize imediatamente o medicamento necessário ao tratamento do paciente.

O que é preciso para o juiz deferir a liminar?

É necessário demonstrar de forma muito robusta o direito de o paciente ter acesso ao medicamento prescrito pelo médico, a ponto de o juiz entender que dificilmente a operadora do plano de saúde terá algum argumento forte o bastante para fazê-lo mudar de entendimento.

Além disso, também é preciso comprovar que se trata de uma situação de urgência, não podendo o paciente aguardar até o fim do processo para ter acesso ao tratamento, sob risco de morte ou de agravamento irreversível do quadro clínico.

Quanto tempo demora para sair a liminar?

O juiz se manifestará a respeito do pedido de tutela de urgência (liminar) entre 24 a 72 horas e, sendo a liminar deferida, a operadora de saúde será intimada para cumprir a liminar imediatamente.

Por que o plano de saúde nega a cobertura desses medicamentos?

As razões para a negativa de custeio do medicamento variam conforme o caso, mas as mais comuns são: medicamento não incluídos no rol da ANS; uso do remédio em desacordo com a DUT (Diretrizes de Utilização) da ANS; e tratamento off-label (em desacordo com a bula do medicamento) ou “experimental”

Qual é o entendimento do Poder Judiciário?

O Poder Judiciário tem entendimento amplamente majoritário de que a negativa de cobertura de um medicamento apenas em razão do fato de ele não constar do rol da ANS ou de não atender as diretrizes de utilização é abusiva e não deve prevalecer, ainda que prevista no contrato do plano de saúde.

Em relação aos casos de negativa sob o argumento de o tratamento ser off-label e/ou experimental, o Poder Judiciário entende que cabe exclusivamente ao médico do paciente a escolha da melhor terapia disponível, não podendo a operadora do plano de saúde interferir na conduta clínica.

Autor:

Rodrigo Araújo

Sócio Fundador

Mais artigos >

0 Comentários


Deixe seu comentário

Seu comentário foi enviado para aprovação.

Houve um erro ao enviar seu comentario.

SÃO PAULO

Rua Joaquim Távora, 1473
Vila Mariana - São Paulo/SP

55 (11) 2500.CLIQUE

55 (11) 2500.3029

BRASÍLIA

Setor Comercial Norte,
Quadra 02, Bloco A nº 190

55 (61) 3181.CLIQUE

55 (61) 3181.0461